ORNITORRINCO

SALGADO, WENDERS E O TEMPO

“O tempo é o maior tesouro de que um homem pode dispor; (…) rico só é o homem que aprendeu, piedoso e humilde, a conviver com o tempo (…), brindando-o antes com sabedoria para receber dele os favores e não a sua ira (…); pois só a justa medida do tempo dá a justa natureza das coisas (…).”

Cito Raduan Nassar em ‘Lavoura Arcaica’ para falar de Sebastião Salgado. E Wim Wenders. Dois homens que sabem brindar com o tempo.

Acabo de assistir ao documentário ‘O Sal da Terra’, sobre Sebastião Salgado, dirigido por Wenders e Juliano Ribeiro Salgado, filho do homem. E sinto que algo mudou em mim.

Acredito profundamente que a arte transforma. E que alguns filmes podem mudar você. E se não você, alguma coisa em você. Lembro de sentir algo assim quando assisti pela, sei lá, quinta vez, ‘2001 – Uma Odisseia no Espaço’. Depois de ter tentado a experiência algumas vezes quando novo, agora estava mais maduro e mais perto de arranhar a compreensão da obra. Algo semelhante aconteceu com ‘Deus e o Diabo na Terra do Sol’. ‘Melancolia’, de Lars Von Trier, que assisti praticamente sozinho numa salinha de Santa Teresa, mudou minha forma de ver o cinema moderno. E o próprio Wenders ganhou um lugar especial na minha memória quando me apresentou Pina Bausch mais de perto em seu ‘Pina 3D’. Lembro do mestre Adriano Garib aos berros nos ensaios de uma peça na escola de teatro:

– Vocês querem ser artistas, vão ver ‘Pina 3D’! Tá pensando que ser artista é mole? É trabalho, trabalho e trabalho!

Há muito trabalho em ‘O Sal da Terra’. E há muita coisa especial. Há a história do jovem criado em fazenda que vira economista na cidade, e se descobre fotógrafo, artista. Há a história de Sebastião e Lélia, parceiros de trabalho e de vida, amantes há quase 50 anos. Há a história do filho que sempre viu no pai – ausente em viagens pelo mundo – um aventureiro e que agora pode segui-lo numa de suas aventuras. Mas todas essas pequenas histórias são pinceladas do tema principal: o trabalho de Sebastião Salgado.

Wim Wenders e Sebastião Salgado

Pessoalmente, acho um alento ver um filme sobre o trabalho de uma pessoa, ou um que se apropria da arte do artista para criar um tributo em vez de se limitar jornalisticamente à história do biografado. Alguns bons exemplos de ousadias narrativas bem sucedidas me vêm à cabeça: a ficção ‘I’m Not There’, sobre Bob Dylan; ‘Jards’, filme-ensaio de Eryk Rocha sobre Jards Macalé; o fantástico filme-poema ‘Elena’, de Petra Costa; ou o já citado ‘Pina 3D’.

Em ‘O Sal da Terra’ há vislumbres da vida pessoal do brasileiro. Mas, focando no trabalho de Salgado, Wim e Juliano evitam a armadilha personalista. E o fotógrafo escapa sem ser mitificado pelo projeto. Despido de valores e signos publicitários como consumo, dinheiro, fama e sucesso, este filme mergulha na reflexão e na contemplação. Por isso somos capazes de admirar profundamente a arte de Sebastião sem sermos oprimidos pela figura dele.

E acabamos então conhecendo mais do retratado, mas o fazemos através do que importa, no fim das contas, em se tratando de um artista: sua obra.

Através de suas fotos, acompanhamos a jornada de um exilado em sua saudosa América do Sul, e as andanças de um homem ávido por conhecer o seu próprio país, em travessia pelo nordeste brasileiro. Ou a sua gente, habitantes de desertos de fome da África, fábricas do leste europeu e dos confins do planeta ainda intocados. Sempre numa busca pelo registro da condição humana. E indo da desilusão com a nossa espécie ao ressurgimento da esperança no reencontro com a natureza.

Uma coleção poderosa de retratos da humanidade, por vezes, em sua face mais cruel. Miséria, fome, violência. Existe uma discussão sobre se a obra de Sebastião estetiza a miséria, esvaziando a força das situações ali representadas com seus registros em preto e branco, quadros bem compostos e jogos de sombra e luz. Acho um debate relevante, mas tendo a me posicionar ao lado de Salgado.

E, de tão maravilhado, quase chego a não acreditar no que vejo, no momento em que ele registra os índios da tribo Zo’é, em cores de pele morena, folhas verdes e tinta vermelha de urucum como nos mostram as lentes de Wenders e Juliano.

Salgado é um andarilho com muito para contar, muito para mostrar. Alguém que escreve com a luz, como a inspirada abertura nos conta. E é emulando o tempo do próprio fotógrafo, homem de paciência, fala calma, e portador de uma energia pacífica que chega a passar para o lado de cá da tela, que Wim Wenders nos apresenta a seu trabalho.

Talvez seja cedo para dizer que algo mudou em mim depois desse filme. Mas o sentimento está lá.

Tudo a seu próprio tempo.

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Leia também

– O OSCAR, DESTINO E PARTIDA
– LAMENTO DE UM JOVEM COLONIZADO
– O FIM DA ARTE É LIBERTAR
TROCO LIKES, SIGO DE VOLTA
VEM AÍ O INACREDITÁVEL 2015

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 26/12/2014 por em Lucas Gutierrez.
%d blogueiros gostam disto: