ORNITORRINCO

O QUE É INFINITO AGORA?

Quero começar esse texto com trilha sonora: “Nem sei mais se meus antigos sonhos se tornarão reais, mas eu sei, a vida passou longe do que sonhei. Planos que acreditei demoram a chegar, a garota que amei e também não amo mais, a formatura que eu fui e só assisti, o futuro que previ, mas eu não estou ali.” (Sugar Kane, 22 anos).

A vida é cheia de complicações e é na adolescência que a gente começa a ter certeza que as coisas não vão ser fáceis. É quando precisamos nos adaptar aos grupos sociais, decidir qual máscara vestir (a tal personalidade), sem fazer ideia que na hora de procurar um emprego ou encontrar o amor de nossas vidas, que dificilmente será alguém do colégio (e que talvez nem exista essa coisa de amor da sua vida), não vai fazer diferença ter sido o mais popular ou o cara estranho sentado na frente da sala na escola. 
O sonho de encontrar o verdadeiro amor em uma festa na faculdade – por que lá as coisas vão ser legais, um momento que vai transformar toda a sua vida – talvez não se realize, mas não se preocupe, você já terá se acostumado com essas desilusões. Quantas vezes teremos que nos diminuir, sem que ninguém possa nos salvar, nem aqueles conselhos de amigos que nunca são ouvidos? Aceitamos o amor que acreditamos merecer e enquanto nos sentirmos para baixo, vamos amar quem já está no fundo do poço, até aprender que não importa para quem você é invisível, importa sentir-se infinito! 
Entre os conflitos da adolescência, que nenhum adulto conseguiria resolver com facilidade, é ao som de Asleep (Smiths) que queremos dormir sem que a música tenha fim, porque acordar sozinho é muito cansativo. A importância de encontrar a sua “tribo” faz a diferença, em “As Vantagens de ser Invisível”, Charles, Patrick e Sam, a turma dos desajustados, entendem o significado de encontrar amigos que vão te acordar pra vida.
No fim do ano os novos amigos de Patrick vão para a universidade. Aí vem outro conflito, pessoas sempre vão, mas não devemos privá-las de ir, é preciso cantar que temos nosso próprio tempo, por isso vivemos nossas fases, nossas amizades e amores que vem e vão, mas nunca deixam as coisas iguais, é a magia da evolução pela qual passamos, uma infância descompromissada, uma adolescência de descobertas e uma vida adulta tentando entender tudo isso para pertencer a algum lugar. 
Entre dias ruins e lindos dias inesperados, escolhemos para onde ir ao som da música preferida, sozinho ou com um par, o que importa é participar da própria vida, que um dia será uma fotografia antiga, uma história para lembrar, uma experiência que nos trouxe até onde queríamos chegar, o agora.
Aline Vaz é professora e escritora.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 03/07/2014 por em Aline Vaz.
%d blogueiros gostam disto: