ORNITORRINCO

INVADI MEU PRÓPRIO DESERTO

Aquele toque fez desmoronar um muro fajuto, construído ao longo de quase trinta anos de pura inexperiência.

De dentro do ônibus, eu a vi ajeitar o lenço que cobria seus cabelos e quase todo o rosto. Muito bonito, por sinal. Desconhecia essa independência que a beleza pratica no Oriente Médio. Tomei nota: beleza e relatividade de mãos dadas a partir de agora.

De onde eu estava uma pequena porção de bochechas e testa ficaram à mostra. O seu carro ao lado do meu ônibus no semáforo. Ela não se viu observada ou fez cena para os olhos de um stalker ocidental e acidental. Ela subiu o espelho do quebra-sol, pegou a mão direita do marido e a colocou gentilmente sobre a perna. Ela o tocou. Fez carinho. Intencionalmente. Apenas eu, e minha até então fraca percepção do mundo, furtamos esse momento alheio.

Foi ali que percebi: uma viagem destrói o que você tem de pior para dar lugar à uma semente que cresce a cada novo carimbo no passaporte. Ou bilhete de ônibus. Cartão de embarque. Pedalada. Qualquer mudança mínima das suas coordenadas originais.

Se eu romantizei uma cena banal? É bem possível. No entanto, o romance, pra mim, não era uma opção ali naquelas coordenadas que passariam longe de qualquer roteiro turístico dos meus sonhos, não fosse a bolsa para viajar e participar de uma semana de workshops em Doha, no Qatar.

Uma viagem destrói o que você tem de pior para dar 
lugar à uma semente que cresce a cada novo carimbo 
no passaporte. Ou bilhete de ônibus. Cartão de em-
barque. Pedalada. Qualquer mudança mínima das 
suas coordenadas originais.

E o sexismo? A repressão? Tudo aquilo de ruim que pregam por aquelas bandas de lá? Estão lá, como estão aqui também. Camuflados nos mais diferentes cantos. Não quero negá-los ou discuti-los com óculos de Pollyanna.

Agora o assunto não é político. Não é falar do que está fora. É o dentro. De mim. E de você também. Viajar para dentro da gente mesmo só é possível com a permissão do acaso. Acredito que isso possa, um dia, mudar o fora. O todo.

Passei, intencionalmente, a treinar meu olhar para dentro. Um gesto de afeto sincero para comigo mesmo. Ninguém, além de uma versão desatualizada de mim, para me observar e deixar cultivar um novo. Porque você bem deve saber, a vida no deserto não é fácil. A não ser que alguém lhe oferte sementes como aquela afetuosa mulher de lenço do carro ao lado.

Sérgio Souto é publicitário.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 01/11/2013 por em Sérgio Souto.
%d blogueiros gostam disto: