ORNITORRINCO

DICAS PARA HOMENS SOLTEIROS HETEROSSEXUAIS

(Ninguém deve estar mais perdido do que a gente nos dias de hoje, então, para ajudar, vou dar aqui um panorama, poético e afetivo, do que estamos encontrando por aí quando se trata de mulher)

São muitas histórias, minhas, de amigas, de amigos, são muitos carnavais;

Algumas são frutos do contemporâneo e outras são padrões ancestrais;

As novinhas querem diversão, ainda estão descobrindo os prazeres carnais;

As já casadas estão carentes da gente num ponto que chega a ser demais;

As gringas curtem experimentar um nativo, mas em seguida voltam pro cais;

As de trinta estão procurando homens para serem novos ou futuros papais;

Tem aquelas que olham, não o seu olho, mas a sua carteira, os seus reais;

As que já são mamães têm uns trezentos e quarenta e quatro mil pés atrás;

Tem as muito caseiras, que não saem da toca e só falam de harmonia e paz;

As divorciadas dão uma recuada no tempo, querem uma adolescência a mais;

Tem as do tipo que te conhecem hoje e já falam de questões matrimoniais;

Inevitável falar da do tipo víbora, que te confunde, já que o disfarce é bem sagaz;

As menores, se for esse o seu caso, saiba que também o será das autoridades legais;

Tem as muito doidonas, as que são muito neuróticas ou as muito normais;

As maduras te seduzem com comidas, velas, e te amarram em santos e sais;

E tem as amigas, mas, com estas, é muito melhor manter os laços fraternais;

As que são caso passado, as que são caso perdido e as que são casos virtuais;

Tem as muito crentes, tem as muito descrentes e todas essas variações radicais;

Claro, existem as que não gostam mesmo de homens, pois preferem as iguais;

As que nunca sofrem, as que sofrem por tudo, as neuróticas e as paranormais;

Aquelas que são incríveis, mas moram longe, em Atenas ou em outras capitais;

E as solitárias, medrosas, excêntricas ou as que só se permitem um lance fugaz;

Tem as que focam nas carreiras, e as que só olham pra si e se acham as tais;

E ainda as que esperam o príncipe encantado ou as novas conjunções astrais;

E, afinal, as que são combinações de algumas citadas acima, só não me diga quais.

Agora, não se engane, para mim serão todas, e para sempre, muito especiais.

João Rodrigo Ostrower é jornalista, dramaturgo e diretor de teatro.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 17/09/2013 por em João Rodrigo Ostrower.
%d blogueiros gostam disto: