ORNITORRINCO

CRÔNICAS DE UM BAMBI APRISIONADO

A pergunta que me passa pela cabeça é a seguinte: “Se já acabei, posso ir embora?”. E embora esta pequena pergunta passeie de um lado para o outro na minha caixa craniana, não encontro a força para fazê-la crescer no espaço branco deste escritório. A verdade é que sei a resposta, e a resposta é não. Tenho um horário. Das 9h às 18h é para ficar sentada, eu e as outras 30 pessoas com quem compartilho este espaço aberto, fingindo liberdade.

A liberdade aqui é para dentro da cabeça e do computador pra fora. Liberdade física não existe. Almoços na cantina, que é no andar de cima, a senhora do lanche que passa às 16h para satisfazer a fome de ficar sentado, o banheiro à três passos de distancia, e as janelas que deixam apenas passar a luz mas que não deixam ver o que está do lado de fora. Ainda consigo ver algumas folhas balançando ao sabor do vento.

Se tenho mais uma hora para gastar e já fiz tudo o que tinha para fazer, ou as circunstâncias me fazem ter que esperar por outro alguém mais afortunado que teve de viajar à trabalho, outra pergunta nasce no canto esquerdo superior direito “Como é que eles aguentam?”. Todos de testa franzida, muito compenetrados no computador. Entendo que uns tenham um trabalho melhor do que os outros, mas no fim do dia, é muito fábrica. Tem um horário, tem metas, tem procedimentos sempre iguais, muita repetição, e é assim todos os dias até, quem sabe, três anos depois conseguir subir um degrau, ou meio vai lá. Surpresas não, que isso é desgraça! Originalidade só dentro do formato, e sair do escritório em plena luz do dia está fora de questão. Perde-se tempo.

Há pouco tempo me disseram que o meu animal espiritual era um veado bebê, e agora tudo faz sentido porque me sinto muito como o Bambi preso na sala de estar. Não entendo a satisfação de um trabalho assim. Serve só mesmo para falar que está na empresa tal, que recebe tanto, que pode trabalhar sem se responsabilizar pelo o que a empresa faz porque não há vínculo, mas há dinheiro. Sempre falei que queria um trabalho que eu adorasse e que me excitasse continuamente. Ok este está longe de ser isso – mas não entendo os outros, é isso mesmo? Era este o seu sonho? Ter essa vidinha medíocre, de fazer algo muito pouco criativo, até pouco produtivo porque aqui não se cria, aqui se vende. Então venda-se! O seu tempo, a sua doce juventude, o seu corpinho, a sua energia tudo para vender mais um chocolate. Ah delícia.

Ontem cheguei em casa morta, o que não me ajuda porque tenho um trabalho para a faculdade atrasado, mas, enfim mortinha de que? De estar sentada? Hummm… tem algo de muito errado na maneira como tudo isso funciona, quer dizer, a escola te ensina a essa cega obediência do senta, levanta, volta a sentar, se concentra, faz, teve boa nota (viva!), teve má nota (reprova).

E não me levem a mal, adoro aprender, sou muito a favor da troca de conhecimento, informação, adoro ouvir e adoro estudar. Mas é incrivel como tudo está muito bem montado, ou não? Ou só sou eu? Bambi alucinando? É que para fazer o que você quer, você tem que mentir: Ah hoje tenho médico, estou doente, tenho que ir tirar o meu R.G.  Só assim você exerce a sua liberdade, sente o sol na pele. Por isso não posso estar alucinando, não devia ser uma obrigação (e é uma obrigação silenciosa controlada pelo bônus). Devia ser vontade mesmo quando não é, não devia ser “trabalho”, devia ser trabalho-smileyface-muitoamor.

Ah quer saber? Cansei.. aqui vai meu grito de Ipiranga: Vou no médico!

Sahara Boreas estuda Cultura e Comunicação Alimentar.

Anúncios

3 comentários em “CRÔNICAS DE UM BAMBI APRISIONADO

  1. Anonymous
    14/08/2013

    Péssimo, nunca vi nada tão mal escrito. Fraca pontuação e nem quero falar da semântica.
    Por favor leiam antes de publicar.

  2. Luis
    14/08/2013

    Não estou de todo de acordo com a sua critica!
    Texto bem redigido e bastante eloquência nas palavras da autora.

    Parabéns Sara.

    LM

  3. Anonymous
    14/08/2013

    gostei muito do texto.
    pontuacao e semantica fora dos padroes nao sao, necessariamente, ruins
    nesse caso, trouxe fluidez
    acho que os editores sacaram isso

    parabens

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 14/08/2013 por em Sahara Boreas.
%d blogueiros gostam disto: