ORNITORRINCO

SEM TÍTULO



“Eles se conhecem numa passeata no Rio de Janeiro e vão para a casa dele se proteger do confronto com a polícia. Passam os cinco dias de manifestações trancados no quarto trepando, cozinhando, falando de livros, filmes, planejando um futuro.” Eu anotei isso no meu caderno há algumas semanas atrás, não me lembro precisamente quando. Era a ideia para um filme. Ou talvez a ideia para um livro, não sei. Eu sei, não é uma ideia original, a história de duas pessoas que se conhecem na surpresa do susto das manifestações, se trancam em casa e nunca mais saem pois estão mudando suas vidas no micro organismo enquanto paralelalmente o macro organismo também vive uma transformação.

O desafio para o autor dessa história (eu, por enquanto) não seria a de contar a história romântica de um casal, mas sim a história dos conflitos sociais coletivos à partir das tensões e dos conflitos íntimos desses dois protagonistas, discutindo questões políticas, geracionais, os desejos pessoais, direcionamentos ideológicos, individualismo, utopia, enfim.

Ano retrasado fui convidado para participar da última edição do projeto Astro-Lábio e criar um trabalho cujo tema era A Casa. Cada participante selecionado estava livre para desenvolver o tema em qualquer plataforma, vídeo, fotografia, texto, o que melhor lhe viesse. Como na época eu estava casado, e passava mesmo a maior parte do tempo em casa, comecei a filmar nossa rotina de casal, conversando, jogando buraco, cozinhando, tomando banho, dando festas, transando, dormindo. Registrei uns mil quilômetros de fita, editei uma primeira versão que ficou com uns doze minutos mas ainda quero editar uma outra versão mais longa, só que estou com um tanto de preguiça de voltar para aquela época. Por enquanto o resultado é um vídeo autobiográfico chamado KZTO & XRLO que capta a vida íntima de um casal no seu dia a dia, sem construções dramatúrgicas ficcionais.



No início de 2013 comecei a escrever um romance que conta a história de um garoto de dezesseis anos que acorda sozinho em um apartamento que ele não conhece. O mote do enredo é ele tentando descobrir como foi parar ali. Ele refaz todas as suas lembranças para descobrir o que se passou. Como ele não tem a chave, não tem como sair, então tem que esperar alguém chegar para lhe ajudar. Escrevi uns dois capítulos e depois não consegui mais me concentrar para continuar. Está ali parado na gaveta.


Uma vez pensei em expor todos os rascunhos dos projetos que tenho guardados. Em uma sala ficaria todo o material criado e pesquisado para a criação de um filme; em outra sala o mesmo para a criação de um livro, e por aí vai. Como nem o filme nem o livro existiriam, a observação do espectador estaria automaticamente, graças a sua capacidade de cognição, completando a obra.


Tenho engavetado bem mais de cinco cadernos com diversas ideias para livros, filmes, instalações, vídeos, poemas, etecetera. O que acontece comigo que na maior parte das vezes não tenho força para terminá-las? Uma ideia vem surgindo em cima da outra. Já comecei vinte vezes a escrever um novo livro mas nunca chego nem na metade porque de repente ele já não se faz mais necessário para mim, eu já quero passar para outra coisa, ou penso que não é mais um livro, é um quadro, é uma fotografia, e assim vou me dispersando. Este texto, por exemplo, era para ser sobre outro assunto, e agora, não sei como, foi tomando esse rumo e eu não sei como terminar.



Gabriel Pardal é editor do ORNITORRINCO.
Twitter / Facebook / Instagram

Anúncios

Um comentário em “SEM TÍTULO

  1. Anonymous
    08/08/2013

    Cuidado! Acabei de vender sua ideia para uma exposição!

    Eu. Anônima, claro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 12/07/2013 por em Gabriel Pardal.
%d blogueiros gostam disto: